quarta-feira, 23 de março de 2011

Profissional valorizado

Por Valdemir José Francisco para o RH.com.br

As mais recentes pesquisas na área de Recursos Humanos apontam como destaque principal o interesse das organizações por candidatos que possuam autoestima elevada. Preferem a profissionais que olham a vida como um presente de Deus e não como um purgatório, onde a passagem por ela não é expiatória e nem a pior forma de purificação é o trabalho, não sendo a segunda-feira o pior dia da semana e, muito menos, o verbo "trabalhar" causa arrepio.

O trabalho não pode ser visto como uma "maldição", e sim como uma das mais sábias formas de desenvolver as potencialidades do ser humano. Ele pode ser considerado o único meio legítimo de sobrevivência, estabelecido pelas próprias necessidades do homem e também uma maneira de realização pessoal.

O perfil do novo colaborador no presente século é de alguém que está predominantemente "UP", para cima. Que sabe o seu valor, que reconhece que de todas as invenções, ele é o maior milagre da "criação". Nada, por mais moderno, mais fascinante, mais pragmático, poderá substituí-lo. Nenhuma máquina será melhor do que ele, o ser humano.

As novas invenções não vieram para nos aniquilar, e sim para nos ajudar a vencer os desafios contemporâneos. Não precisamos ter medo delas, precisamos incorporá-las ao nosso dia-a-dia e extrair o máximo delas, para podermos nos dedicar com mais tempo e sabedoria à algo que elas não podem fazer: "pensar" e "decidir". Valorização pessoal é o primeiro degrau da escalada pessoal e profissional.

No contexto organizacional, não basta somente ser alguém "UP", para cima. É preciso que ele seja também SENHOR das suas emoções, pois o mundo corporativo moderno é altamente competitivo e às vezes chega ser cruel com alguns. A pressão por resultados cada vez mais imediatos cresce como uma avalanche, de acordo com as céleres mudanças de mercado. Não há mais tempo para a acomodação, para os planejamentos de longo prazo, nem para as lamentações públicas, estas devem ser administradas no recôndito mais secreto possível ou compartilhadas somente com as pessoas mais confiáveis, de preferência as que não pertençam ao ambiente de trabalho.

Administrar as emoções, nem sempre é fácil, pois elas fazem parte intrínseca do ser humano, porém, se não forem reconhecidas, trabalhadas, reprocessadas, podem trazer sérios prejuízos à carreira profissional. Muitos excelentes profissionais não conseguem se controlar quando sua palavra ou projeto é questionado por outras pessoas, quando a empresa passa por momentos instáveis ou quando alguém comete um deslize ou até mesmo uma falha grave. Para ser senhor das emoções é necessário respirar profundamente, várias vezes, antes de tomar qualquer decisão precipitada.

Em complemento ao estado "UP" e ao domínio das emoções, o colaborador valorizado tem visão de águia. Ele enxerga além do seu umbigo, isto significa ver além do expediente, do salário mensal, dos benefícios, das promoções, dos retornos pessoais. Ele vê o futuro da organização a qual pertence, vislumbra os dias futuros com otimismo e dedicação, ultrapassa a mediocridade daqueles que trabalham somente pelo "vil metal" ou somente para "subsistir".

Recentemente ouvi a história de um colaborador que estava para ser demitido de uma empresa, mas antes os patrões pediram que ele montasse os equipamentos e as máquinas em outra cidade, onde a nova fábrica iria funcionar. O colaborador mesmo sabendo que todos seriam demitidos, incluindo ele e que seriam contratadas novas pessoas, nesta nova cidade, comportou-se com extrema ética e profissionalismo. Convocou e estimulou colaboradores desanimados, contratou transporte, enfim, realizou todos os procedimentos necessários e trabalhou com sua equipe todo um final de semana, não tendo hora específica para descansar ou parar. E assim, deixou a fábrica montada em apenas um final de semana, prontinha para funcionar na segunda-feira seguinte.

Quando os patrões chegaram e viram o estabelecimento pronto para funcionar (o que levaria no mínimo uma semana) e o comportamento daquele profissional, perceberam que estavam diante de um funcionário altamente valorizado. Não tiveram dúvidas e imediatamente chamaram-no e fizeram uma proposta para ele mudar de cidade e permanecer trabalhando naquela empresa.

Este exemplo mostra-nos que ainda vale a pena se valorizar, fugir das atitudes convencionais e superar os momentos "DOWN". O maior peso na valorização pessoal ainda continua sendo os comportamentos e as atitudes. Profissional que se valoriza, certamente tem seu espaço reconhecido e garantido no mundo corporativo.

Fonte: http://www.rh.com.br

terça-feira, 22 de março de 2011

A importância da água em nossas vidas


Olá pessoal, encontrei este artigo em busca que eu estava fazendo pela internet, resolvi postar aqui no blog em comemoração ao Dia Mundial da água (22 de março), espero que gostem, o artigo todo você encontra na

fonte citada logo abaixo. Boa leitura!


Autor: Alexandre Freitas

"A água é o constituinte mais característico da terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece à humanidade. Embora se observe pelos países mundo afora tanta negligência e tanta falta de visão em relação a este recurso, é de se esperar que os seres humanos tenham pela água grande respeito, que procurem manter seus reservatórios naturais e salvaguardar sua pureza.

De fato, o futuro da espécie humana e de outras espécies pode ficar comprometido a menos que haja uma melhora significativa na administração dos recursos hídricos terrestres" (J.W. Maurits la Riviére, PhD em microbiologia, Delft University of Technology, Holanda)

A água constitui um bem indispensável ao ser vivo. O Brasil é um país privilegiado: tem muita água doce. A Bacia Amazônica abriga 1/6 da água doce que corre na Terra, mas muitos rios já secaram por falta de cuidados: desmatamentos em suas nascentes, assoreamento de suas margens, desertificação, etc.

Atualmente, o nível das águas dos rios brasileiros é a metade do que se encontrava há 50 anos e poucas pessoas conseguem perceber que a água - "que vive caindo do céu" - pode um dia acabar. Em São Paulo, por exemplo, as pessoas rezam, apelando ao misticismo e à religião, para chover e, assim, encher as represas que abastecem a população. Acontece que pode chover e esta chuva provocar ainda mais destruição - a chuva ácida.

A água é um elemento essencial para o nosso dia-a-dia e, mais ainda, durante a pratica de atividades esportivas. É importante para a sobrevivência do homem: o corpo humano é constituído por 80% de água, sendo ela a responsável pelo transporte de nutrientes e substâncias para dentro e fora das células, além de controlar a temperatura corporal e eliminar substratos tóxicos advindos do metabolismo energético.

Assim, para um bom desempenho é preciso ingerir líquidos em pequenos intervalos, visto que durante a atividade física seu corpo perde calor e, conseqüentemente, água ...

...Quem joga lixo na água não tem consciência do mal que faz: o papel demora de 3 a 6 meses para se decompor; o nylon, mais de 30 anos; o pano, de 6 a 12 meses; o plástico e o metal, mais de 100 anos; o filtro do cigarro, mais de 5 anos, etc.

Muitos países enfrentam sérios problemas de falta de água potável e importam água limpa. O homem não pode viver sem água e, principalmente, sem água limpa. É preciso conscientizar toda a população sobre o uso racional da água.

Preservar as riquezas coletivas - e a água é uma delas, assim como o ar - é um direito e dever de todos os cidadãos. O homem pode passar dias sem se alimentar, mas se não ingerir água diariamente pode morrer, por isso ela é um tesouro inestimável e precisa ser preservada.

Fonte: http://360graus.terra.com.br

Dia Mundial da Água

História do Dia Mundial da Água, 22 de março, Declaração Universal dos Direitos da Água, sugestões de preservação

dia mundial da água
Água: um bem natural que deve ser preservado

História do Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado a discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.

Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar idéias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Fonte: http://www.suapesquisa.com

quarta-feira, 16 de março de 2011

10 Dicas extremamente simples para alavancar sua carreira


Por Paulo Araujo

Fique atento às dicas listadas a seguir. São extremamente simples e talvez por isso muito eficazes.

Para aumentar sua produtividade e alavancar a sua carreira é preciso estar constantemente "afiando o seu machado". Ou seja, é preciso estar sempre revendo conceitos, adaptando-se ao novo, procurando novas possibilidades de melhorias. Apesar da simplicidade destas posturas, podemos notar que, a cada momento em que nos lançamos a este tipo de reflexão, mergulhamos em teorias e sistemas complexos, procurando sempre o caminho mais difícil. Vivemos boa parte de nosso tempo retorcendo o passado, preocupados com o futuro e vivenciando muito pouco o presente. Confesse: quanto tempo faz que você não se preocupa quase que exclusivamente com o presente, com o agora, com o já? É no presente que nos acertamos com o passado, que preparamos um futuro melhor. É no presente onde tudo acontece. Somente o presente nos pertence.

Fique atento às dicas comportamentais listadas a seguir, que trazem informações para ajudar você a alavancar a sua carreira. São extremamente simples e talvez por isso muito eficazes. Procure torná-las um hábito em sua vida, no seu cotidiano, e aguarde os resultados. Com certeza eles virão.

1. Foque o positivo. Tudo na vida tem dois lados: o positivo e o negativo. Óbvio? Nem tanto assim. Os pensamentos levam à ação, e pensamentos positivos levam a atos positivos. A grande maioria das pessoas estão sempre procurando "pêlos em ovos". Dizem que 90% de nossos problemas são imaginários, coisas que fantasiamos. E, por conseqüência acabamos antecipando o fracasso por medo de tentar. Pense em sua vida. Você é daqueles que valorizam suas conquistas, sejam elas pequenas ou grandes, ou fica sempre olhando para a "grama do vizinho", acreditando firmemente que é um ser injustiçado? É cômodo reclamar. Portanto, tome iniciativas. Procure transformar em novas oportunidades fatos que a princípio lhe parecem adversos. Lembre-se: os vencedores são otimistas por natureza.

2. Aja com entusiasmo. "Ter um Deus dentro de si". Era assim que os Gregos, na Grécia Antiga, definiam as pessoas que agiam entusiasticamente em seu dia-a-dia e, por consequência, obtinham grandes resultados. O entusiasmo é contagiante. Felicidade atrai felicidade, e sucesso atrai mais sucesso. Pense: as pessoas que acreditam em si mesmas, que estão sempre sorrindo, têm mais amigos, são mais felizes e realizadas. Para se destacar, ser um verdadeiro talento, o profissional deve ter duas características imprescindíveis: competência técnica e paixão por aquilo que faz.

3. Não julgue precipitadamente. Evite rotular pessoas ou situações. Nunca ouça somente uma opinião ou tire conclusões precipitadas. Você poderá estar cometendo uma grande injustiça, criando um ambiente negativo em sua casa ou no trabalho. Ninguém, eu disse, ninguém é dono da verdade. O que é certo para um é errado para outro. Conflitos fazem parte de nossa vida. Enfrente-os de frente, encare a situação com maturidade, transparência e honestidade. A melhor forma de resolver um conflito é indo direto à sua fonte. É difícil. Às vezes, constrangedor, mas fique certo de que é o melhor caminho.

4. Seja empático. Empatia significa colocar-se emocionalmente e psicologicamente no lugar do outro. Procure ampliar sua visão. Veja a situação com os "olhos do outro". Faça esta experiência. Antes de tomar uma decisão, procure ver como ela afetará o restante de sua equipe, as relações com o mercado, fornecedores e parceiros. Que tal aprender a ouvir? Já reparou que ouvir é diferente de escutar. Ouça com atenção, olhe para quem está lhe falando, faça com que seu interlocutor se sinta importante. Um erro muito comum é ter uma postura com seus subordinados e outra completamente diferente com seus superiores. Ouça os argumentos de seus colegas, pondere honestamente sobre suas sugestões, não cometa o erro de acreditar na frase: "Só existem dois tipos de pessoas para mim: as erradas e as que concordam comigo."

5. Fale menos e faça mais. Os verdadeiros campeões são homens ou mulheres de poucas palavras e de muita ação. Um exemplo vale mais do que mil palavras. Seja o exemplo, independente do que os outros pensem ou digam. Ao invés de repetir o sermão da globalização (competição, atualização, inovação e criatividade), aja. Faça mais, crie mais, estude mais, leia mais, e inove mais.

6. Pergunte sempre: isso agrega valor? Acredite, você pode aumentar a qualidade e a produtividade de seu trabalho com esta simples pergunta: Agrega valor? Este determinado processo, relatório, equipamento, produto ou até cliente agregam valor à companhia? É incrível a quantidade de dados e controles que são preenchidos e que para nada servem. Não reduzem custos, não aumentam a qualidade ou a produtividade. Agora é hora de comparar a qualidade produzida versus a qualidade percebida pelo cliente, seja ele externo ou interno.

7. Aprenda a se auto-motivar. Especialistas nos ensinam que temos quatro grandes fontes de automotivação. São elas:

• Você mesmo com suas crenças e atitudes;

• Pessoas à sua volta.

• Mentor emocional.

• Ambiente e instalações (fatores como o ar, iluminação, cores e decoração fazem parte dos “detalhes” que nos levam a uma maior produtividade).

Sendo assim, busque apoio e incentivo em amigos e parentes; tenha em mente um personagem real ou fictício, alguém que realmente lhe inspire; transforme o seu local de trabalho em algo alegre e agradável. Enfim, procure e disponibilize a sua fonte de motivação.

8. Prepare sucessores. Quer crescer? Então contribua para o crescimento de outras pessoas. Esta é a melhor forma de crescer pessoalmente e profissionalmente.

9. Compartilhe o sucesso. Sempre deixe claro que a razão de seu sucesso deve-se ao trabalho e apoio de muitas pessoas. Não existe nada pior do que fazer com que os outros não se sintam reconhecidos. E, infelizmente, nos dias de hoje, este é um dos aspectos mais falhos que existem no ambiente organizacional. Lembre-se sempre do exemplo do nosso querido Guga, quando ganhou a final do torneio de Masters, em Lisboa. Recordo-me de que, em seu discurso, o atleta agradeceu, entre outros companheiros de trabalho, aos catadores de bolinhas e às cozinheiras do torneio. Conscientize-se, portanto, de que reconhecimento, é tão bom quanto uma boa remuneração. E não se esqueça: não é preciso ser dono, diretor ou gerente para fazer um elogio, sorrir ou simplesmente dizer "muito obrigado".

10. Valorize a ética e a cidadania. A lealdade às empresas, hoje, é rara. Poucos pensam em passar a vida inteira dentro da mesma organização. Portanto, ajude a criar um novo diferencial para a sua empresa. Ajude a sua companhia a preparar profissionais para o país e não somente para o mercado, incentivando-a a colocar em prática algum programa social, que envolva inclusive os funcionários.

Agindo de acordo com princípios como estes, fique certo de que você irá "afiar o seu machado".

Sucesso e Felicidades!!!

terça-feira, 15 de março de 2011

O cliente reclamou, e agora?


A consultora e psicóloga Gladys Belotto selecionou 3 regras simples para que você mantenha a calma e cabeça no lugar diante de reclamações

Em nosso dia-a-dia sofremos muito com as reclamações dos clientes, que, em princípio sempre têm razão. São eles, os clientes, que fazem a nossa marca e as nossas vendas aumentarem ou diminuírem. Portanto, a Gestão de Recursos Humanos, tem se preocupado bastante com a forma que os clientes são e querem ser tratados.

Aqui estão algumas dicas importantes para você colocar em prática. Se você atua diretamente com clientes, provavelmente você já esteve em situações que o mesmo aparentava insatisfação ou tinha uma reclamação contra a empresa. Esta é uma importante ocasião para mostrar-lhe que a empresa está disposta a ouvir e melhorar os seus serviços, satisfazendo assim as necessidades do cliente. A maneira como você lida com uma reclamação pode, além de esclarecer um mal entendido, servir para fortalecer o relacionamento com o cliente.

Quando você estiver em uma discussão, não importa se é com colegas de trabalho ou clientes, existem 3 regras em que deve se basear:

1 – aprenda a dizer eu não sei quando realmente não sabe. Não expresse uma opinião ou posição sem conhecer todos os fatos relacionados,

2 – tenha cabeça aberta para mudar de idéia se o outro lado tem uma melhor opinião do que a sua. Neste caso você deve ser capaz de dizer eu não sabia disso e

3 – os perdedores da discussão sempre aprendem mais do que os vencedores, porque foram capazes de ter uma cabeça aberta. Eles terão aprendido o porquê das razões deles não prevalecerem. O vencedor ficará na mesma posição que iniciou… esta é a razão de não terem perdido.

É preciso ser um bom interlocutor para assim interagirmos com os clientes da melhor forma possível para então solucionarmos o seu problema.

Innovia-Treinamento de Excelência no Atendimento ao Cliente.

Fonte: http://www.artigonal.com

Sucesso e Felicidades!!!

Lucas Santos

quarta-feira, 9 de março de 2011

Equipe motivada, vendas alavancadas

Lucas Santos - O Palestrante Espetacular! – Palestrante Motivacional – www.samuraytreinamentos.com.br – Tel. 35 3713-3222 palestras focadas em motivação, comportamento, empreendedorismo, liderança, trabalho em equipe e temas relacionados ao desenvolvimento humano.

Essa talvez seja a maior das questões levantadas pelas empresas. Como ter uma equipe motivada? Meus vendedores não cumprem suas metas! Por que não consigo motivar minha equipe? São inúmeras as questões que chegam para mim através de e-mails e mesmo por contatos pessoais em reuniões e visitas a clientes, que no fundo querem dizer sempre a mesma coisa: - Como motivar e, principalmente, manter vendedores motivados.

Quando falamos em motivação a primeira coisa que nos vem à cabeça são os vendedores. O que poucos levam em consideração é que a necessidade de manter todos os colaboradores da empresa motivados é de suma importância para o crescimento da empresa. Obviamente a motivação da equipe de vendas se torna mais importante no sentido de que esse setor é o alicerce de qualquer empresa. O mais importante é deixar claro que as empresas devem ter um ótimo ambiente de trabalho para todos. As pessoas devem "gostar" de estar trabalhando e de fazer parte da equipe de colaboradores.

A grande diferença entre o vendedor e os outros profissionais da empresa, é que ele encontra diariamente obstáculos, rejeições e desafios. Por esses motivos é o profissional que deve sempre estar mais motivado, pois somente assim ele poderá motivar os clientes a comprarem.

A grande questão é que não existem dificuldades, para as empresas, em recrutar e treinar seus vendedores. A grande dificuldade está em mantê-los motivados.

Mas como manter uma equipe motivada?

Em primeiro lugar é necessário entendermos que estamos lidando com seres humanos, e cada ser humano tem uma formação psicológica diferente de outro, ou seja, o que pode motivar uma pessoa, não necessariamente motivará outra, portanto para mantermos uma equipe de vendedores motivados é necessário conhecer um a um cada vendedor e buscar o que mais motiva cada um, dentro do seu perfil psicológico. Isso é o que os bons gerentes de vendas deveriam fazer diariamente. Saber que esses vendedores são pessoas e como pessoas tem seus problemas particulares, suas famílias, seus anseios e suas dificuldades, tornará mais fácil conduzir um processo motivacional.

Para motivar uma pessoa, em primeiro lugar é necessário saber que a palavra motivação é a junção das palavras motivo e ação, ou seja, dar um motivo para uma ação. O motivo, o empresário deve dar através de incentivos. Quando falamos incentivo, não significa necessariamente dinheiro, existem muitos outros fatores de incentivos tão forte quanto o dinheiro. É necessário saber que o dinheiro pode não ser o principal incentivador de algumas pessoas. Já está mais do que provado que as empresas líderes de mercado e as que mais vendem, são aquelas que propiciam um ótimo ambiente de trabalho e sabem manter toda sua equipe motivada.

Para manter uma equipe motivada, existem alguns conceitos que quando aplicados podem levar as empresas a resultados positivos. Reúno abaixo os principais conceitos para manter uma equipe motivada.

- HUMANIDADE: Não transformar seus vendedores em "robôs", que fazem tudo automaticamente e sim tratá-los de uma forma humanística e individualizada, fazendo com que ele perceba que é importante para a empresa e que a empresa se preocupa com ele, transformando a relação profissional em algo pessoal. Isso irá provocar todo um processo motivacional dentro da pessoa.

- RECONHECIMENTO: Saber reconhecer a importância do vendedor para a empresa, não é simplesmente premiá-lo por metas alcançadas. É dizer isso a ele de forma direta, agradecê-lo pelo empenho e mostrar sua satisfação com o seu trabalho através de palavras diretas, vibrando com suas vitórias e participando de suas conquistas.

- CRITICAR SIM, DESTRUIR NÃO: Se um bom vendedor perdeu uma venda, não o massacre com críticas. É necessário dar feedbacks construtivos de maneira que ele os utilize para o seu crescimento.

- INCENTIVOS FINANCEIROS: Não se trata de comissões. Isso é o básico da remuneração de um vendedor. Trata-se de um incentivo extra, algo inesperado. Trace metas tangíveis para sua equipe, algo possível de ser alcançado. O grande erro de vários gerentes é traçar metas impossíveis de serem atingidas, mas eles partem da idéia de que todos vão tentar, portanto as vendas aumentarão e a empresa não vai precisar pagar nenhum brinde extra, porque ninguém vai atingir a meta. Pura infantilidade! É muito mais rentável, ficar com 90% dos lucros vendendo muito, do que 100% vendendo pouco. Se você traçar uma meta tangível com uma gratificação extra, isso dará motivação para seus vendedores irem buscar novos negócios. Cumpra todos as promessas feitas aos seus vendedores.

- DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL: Propicie aos seus vendedores, treinamentos constantes para que ele evolua profissional e pessoalmente. Promova palestras que fale sobre técnicas de vendas, qualidade de vida, gerenciamento do tempo, como lidar com stress, gerenciamento familiar e outros temas que sirvam para o seu crescimento. Se sua empresa não tem um orçamento para iniciar esse processo imediatamente, dê um livro de presente aos seus vendedores. Um livro que fale sobre técnicas de vendas, gerenciamento, motivação, ou técnicas de negociação, isso mostrará o seu real interesse por ele.

- ACOMPANHAMENTO EM CAMPO: O bom gerente de vendas é aquele que pelo menos uma vez ao mês sai com seus vendedores a campo. É a única maneira de saber porque um vendedor vende bem, ou porque as coisas não vão indo tão bem para outro. E isso irá provocar motivação nos vendedores pelo interesse. Mas nunca deixe o vendedor pensar que você está em sua marcação, por esse motivo irá a campo com ele. Mostre que o verdadeiro motivo é conhecer melhor seus clientes e, verificar as necessidades que o vendedor encontra em campo para que a empresa procure providenciar melhores condições de trabalho.

- CONFIANÇA E CREDIBILIDADE: A equipe motivada é aquela que confia na própria empresa. Para uma empresa conseguir criar confiança e credibilidade é necessário que cumpra com todas as suas obrigações na data certa e ajustada. Se você prometeu o pagamento da comissão ou do prêmio em tal data. Cumpra.

Seguindo essas idéias básicas, com certeza você irá criar uma equipe fiel e motivada. Lembre-se que o dinheiro sozinho não é ferramenta motivacional completa, procure reunir todos os conceitos colocados, só assim você terá uma equipe motivada com profissionais capazes e alinhados á sua empresa.

Marco Antonio Meira

Consultor de Marketing e Vendas

www.revistamarketingevendas.com.br

quinta-feira, 3 de março de 2011

Curiosidade: 16 Tipos de Pessoas (Análise de Personalidade pelo Método MBTI e Keirsey)


Olá,

Bom, na verdade é um pouco mais que uma curiosidade, pode até ser usado por profissionais de RH ou de forma teórica para entendermos certas pessoas, culturas e etc.


Explicação

No caso, pensei em mostrar o método como forma de, em primeiro lugar, gerar um melhor entendimento sobre as pessoas a seu redor. Um exemplo disso, que é algo que me irrita bastante, é a necessidade que as empresas têm de, durante o processo de “entrevista”, ver se o candidato tem determinadas características de extroversão. Isso é um erro absurdo na minha opinião. Todos têm habilidades específicas e podem contribuir de formas diferentes para o rendimento da empresa. Um sujeito extrovertido pode ser um ótimo vendedor, mas será que ele será tão competente lidando com questões “duras” de administração e planejamento?

No caso da diplomacia, acho ainda mais importante ter em mente os diferentes tipos de pessoas. Um sujeito extrovertido, falante, divertido é o tipo de diplomata ideal para estar na “ponta”, fazendo contatos diretos, discursos, etc. Por outro lado, um sujeito calado e introvertido pode ser o ideal na outra ponta, fazendo o planejamento estratégico daquilo que será dito, das relações causais e etc.

Em segundo lugar, é uma forma de compreendermos melhor as pessoas pelo mundo, cada um com seu jeito de ser. Algumas culturas têm uma predominância desse ou daquele tipo de pessoa. Os japoneses, por exemplo, são conhecidos por serem mais quietos e competentes, digamos que o extremo oposto dos brasileiros. Os franceses podem ser vistos como mais “duros”, os ingleses como “reservados”, os americanos como “exploradores”, etc. Ressalto que não estou tentando formar estereótipos, mas apenas ressaltar que existem estruturas mentais diferentes em cada cultura e, dentro delas, em cada pessoa.

Meu interesse pessoal pelo sistema vem desde 2001, quando comecei a estudar psicologia por contra própria. Esse estudo solitário foi até 2004. Na verdade até tenho algumas ambições acadêmicas de desenvolver um sistema de análise de líderes mundiais (que possa, obviamente, prever as ações futuras dos sujeitos), vamos ver.

O sistema

O sistema é baseado nos entendimentos de Jung (psicólogo de corrente alternativa à de Freud) e divide os seres humanos em 16 tipos diferentes de pessoas com a combinação dos resultados de 4 diferentes análises. Lembremos que todos agem em todos os níveis, o que o teste busca são preferências individuais, aquilo que predomina em cada pessoa:

1 – Extroversão X Introversão (O Fluxo de Energia Mental)

Extroversão é quando “agimos no mundo”. Somos extrovertidos quando conversamos com alguém (falar e escutar), preparamos comida ou consertamos algum objeto. Enfim, a extroversão acontece quando interagimos com o mundo.
Introversão é quando “pensamos e refletimos”. Somos introvertidos quando lemos um livro, pensamos sobre o que fizemos ou dissemos, prestamos atenção ao que estamos sentindo ou refletimos sobre determinado problema em nossas vidas.

2 – Sensitivo X Intuição (Como recolhemos informações)

Pelos sentidos quando utilizamos nossos cinco sentidos para recolher informações, ou seja, quando recolhemos informações de uma forma literal, concreta. Isso acontece quando comemos algo, decoramos um discurso, seguimos os passos de um plano ou percebemos a mudança de temperatura e iluminação.

Pela intuição quando descobrimos uma nova forma de fazer as coisas, pensamos sobre as implicações futuras do que fazemos, pensamos em sentidos ocultos sob aquilo que as pessoas dizem ou fazem, ou quando vemos as coisas em contexto, “por cima”.

3 – Racional X Emocional (Como tomamos decisões)

Racional quando fazemos pesquisas e escolhes com base em nossas reais necessidades, quando fazemos a “coisa certa”, em detrimento daquilo que seria o que “mais gostamos”, escolhemos não comprar uma camisa nova, pois já temos outras em bom estado, ou fazemos planos para a realização de tarefas.

Emocional quando decidimos comprar algo por que gostamos, deixamos de falar algo porque pode magoar alguém, decidimos não aceitar um trabalho pois não gostamos do ambiente de trabalho ou decidimos ir a algum lugar para estar mais perto de alguém que gostamos.

4 – Julgador X Perceptivo (Nossas atitudes em relação ao mundo externo)

Somos julgadores quando fazemos listas do que fazer, agendamos compromissos, formulamos e expressamos julgamentos, fechamos um assunto para seguirmos em frente.

Somos perceptivos quando adiamos decisões a fim de verificar as outras opções disponíveis, agimos espontaneamente, decidimos o que fazer conforme as coisas forem evoluindo, sem planejar, fazemos as coisas de última hora.

Juntando tudo, forma-se uma tabela:

E – ExtrovertidoI – Introvertido
S – SensitivoN – Intuitivo
F – EmocionalT – Racional
P – PerceptivoJ – Julgador

As combinações levam a 16 tipos de pessoas, cada uma com uma forma diferente de ver o mundo e de interagir com ele. Todas com suas características fortes e fracas. Para cada um existe um “título”, que o caracteriza melhor.


Os tipos possíveis são (em parêntesis uma denominação alternativa):

  • ISTJ – The Duty Fulfillers (inspectors)
  • ESTJ – The Guardians (supervisors)
  • ISFJ – The Nurturers (protectors)
  • ESFJ – The Caregivers (providers)
  • ISTP – The Mechanics (crafters)
  • ESTP – The Doers (promoters)
  • ESFP – The Performers (igual)
  • ISFP – The Artists (composers)
  • ENTJ – The Executives (fieldmarshals)
  • INTJ – The Scientists (mastermind)
  • ENTP – The Visionaries (inventors)
  • INTP – The Thinkers (architets)
  • ENFJ – The Givers (teachers)
  • INFJ – The Protectors (counselors)
  • ENFP – The Inspirers (champions)
  • INFP – The Idealists (healers)

Sigam os links para maiores detalhes, o site é simples mas é muito bom, uso há anos.

Em português: ENFJ/ENFP/ENTJ/ENTP/ESFJ/ESFP/ESTJ/ESTP/INFJ/INFP/INTJ/INTP/ISFJ/ISFP/ISTJ/ISTP/

Os Testes

Muitos anos atrás, quando comecei a estudar isso, todos os sites eram gratuitos.

O principal é www.keirsey.com, mas há também o www.mbti.com (onde retirei meu resultado –as quatro letrinhas-). No primeiro site você pode fazer o teste em inglês e receber um resumo, o resultado completo só pagando (faça aqui: http://www.keirsey.com/sorter/register.aspx).

O segundo site “locka” (trava) todo o resultado e você tem que pagar uma fortuna (USD 59) para ver. No meu caso, como já disse, os resultados foram de graça pois na época não havia toda essa fábrica de dinheiro na internet.

Porém, para aqueles que querem o teste e o resultado em português (e de graça), fica o seguinte site: www.inspiira.org


Fonte: Curiosidade: 16 Tipos de Pessoas (Análise de Personalidade pelo Método MBTI e Keirsey) | Política Externa Brasileira
Política Externa Brasileira

Pessoal, eu fiz o teste e realmente é muito válido. É importante nos conhecermos melhor. Visite os sites mencionados na matéria e faça o teste.

Sucesso & Felicidades!!!

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Aprenda com os lobos

Lucas Santos - O Palestrante Espetacular! – Palestrante Motivacional – www.samuraytreinamentos.com.br – Tel. 35 3713-3222 palestras focadas em motivação, comportamento, empreendedorismo, liderança, trabalho em equipe e temas relacionados ao desenvolvimento humano.


Aprenda com os lobos O que pode acontecer quando "força" não é companhada de "caráter" Por Eugenio Mussak

Conheci certa vez uma empresa em que a diretoria estava muito feliz com o gerente do departamento que trazia os melhores resultados. Passado algum tempo, ao visitar a empresa, fiquei sabendo que ele havia sido demitido. Fiquei surpreso, mas depois entendi, pois o motivo não tinha a ver com os resultados financeiros. Nisso ele era bom. Já sua conduta ética... Houve um choque com os valores da organização. E para as empresas já não interessa mais apenas "resultado", e sim "resultado sustentável". É uma questão de sobrevivência de longo prazo.


Sustentabilidade significa que o sucesso de hoje não compromete o sucesso de amanhã. Atitudes antiéticas vão contra esse princípio. Para entender a posição dos líderes diante dessa realidade, podemos olhar o que acontece com alguns animais. Você já reparou que um cachorrinho quando leva uma bronca do dono costuma deitar de barriga para cima, o que gera uma imediata simpatia pelo danadinho? Ele faz isso porque reconhece a força de seu "oponente" e simplesmente não quer brigar, pede paz, se rende. Pois é, essa é mais uma herança do ancestral do cãozinho -- o lobo.


Quando dois lobos disputam a liderança de uma matilha partem para o confronto físico até que um deles, derrotado, deita de costas no chão. É aí que reside a beleza dessa história: o outro lobo interrompe o ataque, deixando o vencido em paz, pois a intenção não é ferir ou matar o oponente, mas, apenas, vencê-lo na disputa pelo poder.

Mas, veja só, se o lobo vencedor continuar a atacar o vencido, ele será rechaçado pelos demais, podendo até ser atacado pela matilha que iria liderar. Sem ter compaixão pelo vencido, ele demonstra fraqueza de caráter. Tem de mostrar respeito pelo vencido. Uau, ponto para os lobos!


Entre os humanos, demonstrações de caráter às vezes não são cobradas dos líderes, desde que eles entreguem resultados para a empresa. Se os números estiverem bons é porque a liderança está funcionando -- dizem por aí. Esse raciocínio não está "errado", pois mesmo os liderados se sentem bem quando os resultados são bons. Mas, cuidado. Ultimamente, "resultado" é diferente de "resultado a qualquer custo", pois este não garante o "resultado sustentável". Isso é importante porque a matilha, cedo ou tarde, vai se amotinar e negar a autoridade do tal líder sem caráter. Aí os resultados começarão a minguar.


Um líder de verdade carrega consigo um certo espírito de nobreza, capaz de angariar o respeito até dos adversários. Assim constrói a tal sustentabilidade. Se não for deste modo, vamos acabar dando razão ao empirista Thomas Hobbes, que disse que neste mundo estamos todos contra todos e que o verdadeiro lobo do homem é o próprio homem. Não precisa ser assim e, por ironia, podemos aprender com o próprio lobo!


Eugenio Mussak é professor e consultor. E-mail:eugenio@ssdi.com.br

Fonte: Revista Você S/A Edição 106 - Abril 2007


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Sabia que o inventor do Red Bull, vendia pasta de dentes?


Olá, queria compartilhar contigo esta História que recebi por e-mail, é interessante, vale com certeza o minuto que vai levar para lê-la.

Estamos na Áustria, nos idos de 1980, mais precisamente em uma pequena filial da gigantesca Unilever.
No departamento de marketing, entre vários profissionais está o Dietrich, um gerente médio, que passa o dia tentando encontrar formas de vender uma pasta de dente de segunda linha. Ele leva uma vida de classe média, sem dificuldades, mas também sem grandes luxos.
Até que chegou a época do ano em que Dietrich deveria tirar férias, e ele resolveu passar umas duas semanas na exótica Tailândia. Lá chegando, ficou impressionado com os riquixás que eram utilizados por lá.
Você sabe, aqueles carrinhos puxados por uma pessoa, nos quais se sentam um ou dois turistas. Alguns riquixás são bicicletas adaptadas, mas, mesmo assim, não é um serviço para qualquer um.
Dietrich começou a puxar conversa com um… bom, se quem dirige táxi é taxista, quem pilota riquixá deve ser “riquixista”. Enfim, com um condutor de carrinho:
— Como você agüenta puxar esse carrinho para cima e para baixo o dia todo?
— Ah, a gente já está acostumado; e, depois, a gente bebe um chazinho que ajuda a manter o pique.
Esse chazinho, assim como o nosso quentão, não pertencia a ninguém: todos tinham a receita, faziam em casa e bebiam durante o dia. Dietrich quis experimentar, gostou e pediu ao condutor:
— Me dá a receita?
Alguns dias depois, de volta à Áustria, Dietrich foi bater na porta de uma pequena fábrica de medicamentos dos arredores com a receita na mão:
— Olha, eu tenho essa fórmula aqui. Vocês fabricam, eu cuido do marketing e a gente divide 50%-50%. Topam?
— Tudo bem, mas como se chama isso?
Keting Daeng.
— Quetí o quê?
— Bom, é o nome em tailandês. Traduzindo, Touro Vermelho. Mas vamos botar em inglês para ficar mais legal.
— Então… Red Bull?
— É. Red Bull.
O restante é história. Com você, acontece a mesma coisa. Muitas vezes, a oportunidade passa à sua frente. Poucas pessoas, como o seu Dietrich Mateschitz, sabem identificar e ganhar dinheiro com ela. Pode ser uma habilidade artística ou culinária. Pode ser um jeito para encontrar objetos esquecidos e levá-los a quem quer comprar. Pode ser uma aula, um serviço especial. Pode ser dezenas de outras coisas.

Contribuição: Antoani (antoanimorelli@gmail.com)